11.jpg12.jpg13.jpg14.jpg15.jpg16.jpg17.jpg18.jpg19.jpg20.jpg21.jpg22.jpg23.jpg24.jpg25.jpg26.jpg

A alma na pedra

A alma na pedra - I

 

Impossível impor um ponto de vista ou hastear bandeira. Gostaria que todos estivessem bem, verdadeiramente bem. Porque os fantasmas intelectuais, os jornalistas comandados, os que formam correntes de opinião para alimentar os políticos artificiais, registram dados que estão milhas de distância dos fatos reais: não existem responsáveis, porque não existem vítimas. Tudo o que posso dizer: mea colpa. Por acreditar. Como pude acreditar que na ‘Pátria Mãe’ uma mulher com mais de quarenta anos seria considerada gente? Se ali eu era útil; se por várias vezes deixei minha casa, junto com meus filhos, para que essa hospedasse os visitantes; se minhas pesquisas eram de valor cultural para a ‘Patria Mãe ’ que há muito tempo perdeu os verdadeiros costumes, aqui sou inútil, não tenho lugar nem espaço. Devo, obrigatoriamente, ser Sombra.

Sei de colegas, que pediram para não colocar nome, e que, tendo terminado o curso e sendo obrigatório o estágio (mecânico), trabalharam colhendo uvas nas terras dos patrões das empresas. Todo estágio é obrigatório e, na maioria, gratuito. Sendo tantos os que acreditaram, seria possível fazer um cálculo de quanta mão-de-obra gratuita obtêm as empresas? Um curso com estágio de uma pessoa que me é mais que amada: quatro horas semanais de curso, na segunda-feira, que é dia de folga no serviço, e cinco dias trabalhando por oito horas em troca da passagem do ônibus e o almoço. Período de seis meses. E quantos e mais quantos embarcaram no mesmo ‘acreditar’? Mas a Lei é assim aqui, Primeiro Mundo e, nós do Terceiro Mundo, devemos nos submeter, porque, queiramos ou não, não temos condições financeiras de voltar. A mim parece que devemos deixar nossa verdadeira identidade se decompor para que o Primeiro Mundo possa crescer.

- “Confessa, você passou muita fome no Brasil, não é verdade?”

- “Não. A gente vivia melhor que aqui. Tanto na alimentação como em sociedade”.

Então, eles ficam olhando com jeito de quem pensa: é um pobre coitado. Além de miserável e mentiroso, é orgulhoso.

Sem contar o problema maior enfrentado em terra estranha: racismo. Ser Brasileiro significa saber apenas dançar o samba, conviver com anacondas, não saber ler nem escrever, passar fome. Mas somos nós que falamos: por favor, com licença, desculpa...

É estranho brasileiro branco? Temos cabelo claro? Sim. A Itália cabe vinte e nove vezes no Brasil. Talvez eles não tenham conhecimento de dimensões geográficas.

- “Ah... Então vocês têm os terron no norte do país?” Pergunta feita com soberba superioridade e arrogância (no meu modo de ver, ignorância). É claro, eu deveria entender, porque é fácil: se entre eles mesmos existe racismo (um país pouco maior que o Estado do Rio Grande do Sul), como eu esperava encontrar respeito?

Não! Nós, Brasileiros, somos um povo formado por diversas raças, de mãos unidas como em um forte abraço, o que permite a cada um ser livre. É a nossa liberdade que nos impulsiona à ação, a vencermos os obstáculos, a superarmos as dificuldades, a contornar e redefinir novas coordenadas. Somos o povo de um País/Continente não dominado pelo contorno da aparência. Somos um povo transparente que segue o ritmo do dia-a-dia sem ficar acusando esse ou aquele pelos problemas políticos ou sociais.  Somos um povo que, com inteligência e vontade, dá respostas reais aos problemas. Somos um povo de fé: sentimento e abraço total. Cada um de nós é uma pequena estrela e unidos, raças e cores, somos uma Luz. Uma grande Luz de nome Brasil. Uma Luz só desaparece diante de uma Luz maior, e que Luz poderia ser maior que a fraternidade, a união, a força e igualdade de cento e setenta milhões de pessoas que amam essa mesma terra de nome Brasil?

Quantos dias batendo de porta em porta, em cada comércio, indústria ou negócio, pedindo emprego? Nem era necessário ‘Currículo’, porque respondiam na hora: não aceitamos pessoas com mais de 30 anos de idade; não aceitamos mulheres. De uma cidade a outra, saindo de manhã e retornando à noite. Nada. E se por acaso se comenta isso com os amigos, eles não acreditam, dizem que eu não me adapto, que eu não quero trabalhar, que aqui as mulheres com minha idade são logo contratadas porque nessa idade não se ‘compra filhos’, o que sempre foi causa de perda para as empresas. Devo interrogar a mim mesma a respeito da minha capacidade? As discriminações e injustiças sociais certamente nasceram depois da partida dos nossos bisavós... E já criaram raízes. Sim, nossos antepassados levaram consigo o que se chama respeito, educação, companheirismo, amizade, sinceridade, compreensão e, porque não dizer, a verdadeira cultura.

       Existe em mim um prisma de inquietação tão grande que já não consigo nem mesmo dormir. E se durmo, quando acordo, sinto medo de abrir os olhos para a realidade.  É como se até mesmo a minha integridade estivesse sendo ameaçada. A precariedade de integração me tornou sensível aos temas respeito, dignidade, amor-próprio: Sinto medo de sentir respeito, porque não aceitam ou fazem pouco caso. Teimo em manter minha dignidade  não gritando a dor e a mágoa do desprezo que nos jogam na cara e fica corroendo; me sinto confusa, porque a incerteza é amarga e crucifica. Quanto de mim ainda existe em mim? Devo procurar outro deus, um que possa desenhar outras linhas na minha mão e que, generoso, me permita não sentir medo do que parece ser tão obscuro?

Não me reconheço. Olhando o céu descubro que as estrelas não se ajoelham para os humanos que passam. Sinto saudades da minha cidade com sua luz de comunicação repousante, com sua atmosfera tão formal onde eu podia permanecer imersa na tranqüilidade, enlaçar o tempo no pulso e respirar... Sim, respirar. Porque aqui o ar é tão poluído pelas ‘concerias’ (curtumes) que diariamente meu nariz sangra. A água contém tanto calcário que, obrigatoriamente, se deve comprá-la para poder matar a sede, sem dizer que observando o curso dos rios onde entram, repito, entram as águas das famosas concerias, e se vê fumaça.

Meu Deus, onde está a Sole com seus vôos de chama lúcida, asas abertas no ar denso dos dias como uma sentença lida sem pressa, mas de efeito seguro?

Existe um abismo entre a alma e as palavras. Sinto a voz do vento como querendo colher sombras da noite: em cachos, a montes... Queria que o vento fizesse mesmo essa colheita para que eu pudesse jogar pela janela todas as minhas dores, os meus medos e inseguranças. Eu queria ser eu mesma, aquela que se dizia ser serena. Eu queria entender todas as coisas que preciso entender: os gestos, os sentidos, desmembrar palavra por palavra, não matar meu sonho. Ao contrário, trazer à luz outros mais escondidos ainda. Acreditar em mim mesma, em meu Deus. E me habituar, de novo, a acreditar, a cada minuto, a cada instante. No movimento dos passos, descobrir que sempre está comigo aquele que me guia; manter fixo no cérebro o coração grande e aceitar, como um bem, cada traço do destino. Acreditar,  

 

 

 
Copyright © 2009 Solange Maria Soccol. Todos os direitos reservados.
Proibido copiar ou reproduzir este material sem autorização.
Criação: Uniserra.Com